Salão.

2008-07-11

Foto por: Daniel Filho

Caminhando pelo salão alto e comprido,
de várias entradas e saídas numeradas,
as escassas lágrimas e o largo sorriso o denunciavam:
Era o cara mais mais feliz da face da terra.

Anúncios

Descansa.

2008-05-26

Este texto foi escrito em Janeiro de 2007, para um blog que eu tinha na época.
Não quero que ele se perca junto com o falecido blog. Por isso, quis trazê-lo para minha nova casa.

Ele chega em sua casa um pouco tarde, contando que tem de trabalhar no dia seguinte.
Arranca as roupas e as joga em um canto bem visível para não se esquecer de tirá-las dali.
Entra embaixo do chuveiro.

A água está agradável. Nem muito quente, nem muito fria.
Fecha os olhos.
Se apoia com as mãos na parede. Respira.

Sente como as gotas o atingem.
Uma após a outra, milhares, alcançam seu ombro, respingam, escorrem.

Se enrola em uma toalha e vai fechar a janela.
Estaca olhando pra fora.
Uma brisa sutil esfrias as gotas que teimam em permanecer em sua pele.
Uma garoa fina banha os telhados até onde se pode ver.

Algumas das insistentes gotas sobre seus ombros ganham força se juntando a outras.
Escorrem pelas suas costas.
Acariciam como dedos acanhados.
Nervosos.

Como aqueles que passaram por ali alguns minutos atrás.